sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Sem Tempo


O dia entardece entre os varais abandonados,
entre as sombras sem tempo que a tarde consome,
entre as ruas desertas,
as lajes incertas,
e os velhos passos nos caminhos sem nome.

Mas de vez em quando gosto de parar e ouvir o tempo.
Sou um vagabundo das minhas raízes,
do pó das queimadas,
do desvario dos ribeiros,
da aragem do vento que sopra de norte.

Das aldeias mansas de casas caladas,
à espera que o tempo traga outra sorte.



Texto: Victor Gil
Fotografia: Pedro Gil

2 comentários:

peo Maluda disse...

Nem mais. Muito bem! O tempo que temos hoje quase não nos permite rever o tempo de ontem e já nessa altura não tinhamos tempo para adivinhar que hoje mesmo pensariamos nisto. E lá vai aquela avozinha, por certo pensará no tempo, pois que o dela lhe permita pensar no tempo amanhã. E sem perder mais tempo reitero: este blogue tornou-se uma boa razão para perder tempo de vez em quando!

Anónimo disse...

queremos mais, por favor.
melhores cumprimentos