quarta-feira, 23 de setembro de 2009

A Pasteleira


Junto ao velho muro gasto pelo tempo,
jaz a velha ”pasteleira”.
As gastas pedaladas,
os raios incertos,
os furos que teve,
são riscos dos tempos.

Andou na borga com a vida,
andou na vida com homens,
andou na vida com mulheres.
Foi companheira de copos,
de beijos, gozos, prazeres.

Andou por caminhos de terra batida,
ruas, ladeiras, atalhos.
Carregou couves das hortas,
guardou rebanhos de gado,
andou na pesca, na caça,
fez do pedal o seu fado.

Já correu montes e vales,
foi soberana das estradas.
Com ferrugem na corrente,
junto ao muro gasto da casa,
repousa agora indiferente.



Texto: Victor Gil
Fotografia: Pedro Gil

34 comentários:

azul disse...

Reposa ahora indiferente pero ha tenido mucha vida...muy bonito texto y bella fotografia llena de ayeres ...

Un beso

Eduardo Trindade disse...

A fotografia é bonita e marcante (do jeito que eu gosto) e os versos parecem feitos sob medida. Gostei, parabéns!

Mª Angeles y Jose disse...

Unos versos y una fotoggrafia con un encanto especial, llenos de sentimientos.

Muy bonita.

saludos.

tossan® disse...

Ótima parceria foto/poema e muro velho e pasteleira. Poesia nos dois sentidos. Abraço

Pedro Garcia Millan disse...

ALERTA!

La estafa automotriz mas grande en el territorio Mexicano…

Para MAS informacion pinche:

http://expoauto.blogspot.com/

Gracias

Chris disse...

A conjugação perfeita entre o poema e a imagem... parabéns.
Chris

Tais Luso de Carvalho disse...

Poxa...que criatividade, amigo! Conjunto perfeito entre poema e foto. Isso que dá um trabalho a quatro mãos.

bjs
tais luso

angela disse...

Victor Gil
Como tudo na vida, um dia fica parado indiferente ao que acontece em volta.
A foto está muito boa, tem um "ar" de abandonada e gasta.
Adoro poemas que falam de coisas da vida com simplicidade, mantendo o ritmo e a sonoridade das palavras.
Gosto de seus poemas.
beijos

RosanAzul disse...

Gil, querido amigo!
Que lindo momento...
Dois artistas expressando a arte
nos "riscos do tempo" que o próprio tempo não apaga...
Parabéns aos dois!! Linda foto, lindo poema! Meu carinho, RO

João de Sousa Teixeira disse...

E o Vinicius dizia:

Meninas de bicicleta
Que fagueiras pedalais
Quero ser vosso poeta!
Ó transitórias estátuas
Esfuziantes de azul
Louras com peles mulatas
Princesas da zona sul:
As vossas jovens figuras
Retesadas nos selins
Me prendem, com serem puras
Em redondilhas afins.
...

Abraço
João

M. Angel disse...

YA CORRIÓ COLINAS Y VALLES
Hoy se toma ya un respiro
ya no recorre las calles
que tanto ha recorrido.

Victor Gil, placer leerte.

Saludos

Anónimo disse...

Victor ya no publico (bueno, ocasionalmente en Mis Imágenes) pero eso no significa que haya dejado de visitarte, te sigo el rastro escondida entre nubes que amenazan Borrasca.

Este post me emocionó.

Besos borrascosos

Nydia Bonetti disse...

Que imagem, Victor. Pedro é mesmo um craque, não? Ficou perfeito junto ao poema.

Beijo

Marco Reis disse...

Sempre interessante passar e passear por este blog...
Abraço

CANTACLARO disse...

.

Víctor, la belleza de tus versos para cantarle a una compañera... ¡Son envidiables!

Beijos querido poeta,

Ana Lucía

.

Chá das Cinco disse...

Eu fiz isso no final de semana,peguei uma velha bicicleta e andei um bom tempo para renovar as minhas energias.
Adorei o poema e a foto, magnífico.
Um beijo
Gemária Sampaio

José Carlos Brandão disse...

Tudo é matéria de poesia - porque não uma velha "pasteleira"? Sempre fica o carinho, aventuras, um vida vivida - a memória é cheia de sensações.

(Ah, não conhecia o apelido "pasteleira". Por que será?).

Um abraço amigo, do coração.

Gaspar de Jesus disse...

Olá VICTOR GIL
Parabéns pelo Poema sobre a bicicleta, gostei muito!
Muito obrigado pela visita.
Pois, foi no passado fim de semana que andei por aí.
Confesso que na altura nem associei o Victor a Castelo Branco, mas também andei sempre ocupado, dado que o que me levou até aí foi o encontro anual dos coleccionadores de pacotes de açucar de que minha mulher faz parte e que aconteceu na linda Quinta da Dança, precisamente onde está a tal fonte que o Victor diz não conhecer.
Grande abraço
G.J.

missixty disse...

Muito bonito este poema. Essa bicicleta agora gasta e velha, já foi cheia de vida, assim como as pessoas que envelheceram e só já vivem de memórias.
Bela fotografia a acompanhar!
beijinhos

maria disse...

MEU AMIGO BEIRÃO...É TÃO BOM VIR AQUI.
ESTÁ DE PARABENS, O POEMA É LINDO E A IMAGEM TAMBEM.
UM BEIJO
MARIA

EDUARDO POISL disse...

Bom dia amigo Vitor, passa no UMA ILHA PARA AMAR tem uma surpresa para você, espero que goste.
Abraços

Dan disse...

Oi Victor,

Linda esta sua pasteleira.
Que caminhos andou?
Quem conheceu?
Com quem falou?
O que viu?
Grande amiga
Dileta companheira.

Lindo, lindo

Obrigado pela visita e pela força.

Adoro estar aqui.

Abraços

Silvana Nunes .'. disse...

Combinação perfeita. Parabéns.
Obrigada pela visita e por suas palavras tão carinhosas. Volte outras vezes, terei sempre uma história para contar.
FOI DESSE JEIO QUE EU OUVI DIZER...
Saudações Florestais !

AFRICA EM POESIA disse...

vitor
quente Formosa e amiga...
somos mesmo amigos e quando nos encontramos sem nos conhecermos sentimos a força da família
é algo inexplicável...


um beijo




QUENTE



África...
--África quente...
--África que queima...
--África vermelha...

Que aquece...
Que queima...

E que deixa o vermelho...
Entrar dentro...
Do meu coração...

E saber...
Que tu África...

--Vais ficar...
--Para sempre...

Dentro do meu sangue!...


LILI LARANJO

Lídia Borges disse...

A velha "pasteleira" gasta, enferrujada e abandona, depois de muito dar "o corpo ao manifesto" fez-me lembrar a solitária "velhice", no nosso país.

Fernando Santos (Chana) disse...

Bela foto...belo texto...Espectacular....
Um abraço

Alessandro William disse...

Adoro poesias,
Adoro fotografias

Parabéns

Alessandro William disse...

Adoro poesias,
Adoro fotografias

Parabéns

azul disse...

Cuando puedas te pasas por mi blog que hay algo para ti

Un abrazo

Sonia Schmorantz disse...

Muito bonito...nossas velhas bicicletas nos levaram a tantos lugares, tantas aventuras, imagem linda!
Um abraço

Chá das Cinco disse...

Oi meu lindo!
É sempre um prazer a tua companhia para um delicioso chá meu amigo.
Fico feliz por saber que você gosta dos meus txtos e poesias.
Um abraço
Gemária Sampaio

EDUARDO POISL disse...

Fica a vontade para usar as fotos.
Abraços

Dalinha Catunda disse...

Olá Victor,
Nota-se na postagem do texto e na fotografia a grande cumplicidade sua e de Pedro. A foto é bem expressiva e as palavras não menos.
Tenho paixão por bicicleta. Sempre que viajo para o interior do Ceará dou minhas voltinhas nelas.
Largo o chinelos, solto os cabelos e monto em cima dela, é impagável a sensação de vento no rosto.
Um abraço,
Dalinha

ruimnm disse...

Simplesmente genial!